PIRUÇAS

Fevereiro 12 2008

Lisboa, 12 Fev (Lusa) - O número de crimes registado pelas autoridades aumentou 10,2 por cento entre 2000 e 2006, de acordo com os Indicadores Sociais do Instituto Nacional de Estatísticas (INE) hoje divulgados.

Não tardará a vir por aí um porta-voz qualquer garantir que não é bem assim, bláblá, bláblá, que é tudo uma questão de timing (como disse o outro), estão a ver, estão a ver, que é tudo um problema de interpretação dos números, e que hoje estamos muito melhor, nesta matéria, do que estávamos ontem. Entendido?

publicado por poleao às 19:22

Fevereiro 12 2008

 

 

Como as coisas estão, digo eu, e não sendo boas as perspectivas, nem a Nossa Senhora do Carmo nos pode valer de muito.

publicado por poleao às 18:07

Fevereiro 12 2008
"1 . Na última semana houve dois alertas fortíssimos contra a corrupção que está a corroer a sociedade portuguesa e o prestígio do Estado: o do gen . Garcia Leandro, que disse sentir crescer uma grande indignação popular contra casos sucessivos de corrupção, que são conhecidos, murmurados, insinuados, mas não investigados, a ponto de temer uma explosão incontrolada da ira popular; e o do novo bastonário da Ordem dos Advogados, dr. Marinho Pinto, que disse conhecer casos de tráfico de influência escandalosos e negócios suspeitos entre políticos, de sucessivos governos, empresas e empresários que actuam em Portugal. Trata-se de benesses e de concessão de favores que são "recompensados", depois, por chorudos lugares de gestão nessas mesmas empresas. E de negócios e empreendimentos milionários que implicam favores do Estado e concessões das autarquias, que se sobre- põem às regras públicas do ordenamento do território com o pretexto de potencial interesse nacional (PIN).

O grave é que tudo se passe na maior impunidade, sem que as instituições do Ministério Público, policiais e de controlo investiguem os rumores que circulam ou, se o fazem, as investigações não são divulgadas para terem, ao menos, a consequente sanção moral. A comunicação social às vezes fala e escreve. Mas como não há resposta o silêncio é suposto fazer esquecer. Será assim?

Por outro lado, a justiça é lenta, muito lenta, e dá a sensação de ser inconclusiva e de não actuar com a celeridade necessária nessas matérias "delicadas". Os exemplos saltam à vista: desde o julgamento do processo "Casa Pia", que se eterniza, ao "Apito dourado", aos processos abertos contra autarcas e a tantos outros. São exemplos extremamente mediatizados, mas como parecem ser inconclusivos só servem para desacreditar a eficácia da justiça.

A investigação pela Polícia Judiciária do caso Madeleine McCann, que emocionou o País e foi tão divulgada no estrangeiro, sobretudo no Reino Unido, é outro exemplo que não coloca bem Portugal. É sabido, pela experiência alheia, que uma tal investigação não é nada fácil. Mas a Polícia Judiciária, por isso mesmo, deveria ter-se resguardado mais da curiosidade insaciável dos media, e não ter referido tantas pistas e contrapistas, chegando a declarar arguidos os pais da infeliz menina. Para quê, se não tinham provas? Para agora o director da Polícia Judiciária, Alípio Ribeiro, reconhecer que a organização que dirige "agiu por forma precipitada". Houve, com efeito, demasiadas declarações precipitadas, incluindo talvez a dele..."
O texto que antecede constitui, apenas, uma parte -os quatro primeiros parágrafos- de um artigo hoje publicado no DN, da autoria de Mário Soares.
Se aqui estivesse e lesse o que ficou transcrito, o meu tio Anacleto não deixaria de fazer este comentário: NA NATUREZA, NADA SE PERDE, NADA SE CRIA, TUDO SE TRTANSFORMA. Científico comentário que tambéu eu subscreveria.
publicado por poleao às 10:42

TÃO LONGE DO MUNDO E TÃO PERTO DE TUDO
mais sobre mim
Fevereiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

13
15
16

17
18
19
20
23

25
26
27
28


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO