PIRUÇAS

Janeiro 04 2008

O INSPECTOR, A LEI, A CIGARRILHA, O CASINO E O PAÍS PACÓVIO

Com este título, a jornalista Fernanda Câncio escreve, no DN de hoje, um interessante artigo sobre o mais badalado "polícia" do momento.

 

Diz ela, no início do texto:


"Não é ouro sobre azul, mas é preto sobre prata, o acaso que juntou, na noite da passagem de ano e no salão do mesmo nome do Casino Estoril, o inspector António Nunes, notório líder da ainda mais notória ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica), e a repórter do DN Céu Neves. A Céu Neves estava lá para reportar o concerto de Woody Allen . O inspector, coitado, devia lá estar para passar um bom bocado e eis que se transformou em notícia, ao vivo, a cores, e até com cheiro, ao ser visto pela Céu a saborear uma cigarrilha nas primeiras horas da entrada em vigor da lei do tabaco, que o organismo que chefia tem a incumbência de fiscalizar. O fotógrafo Tiago Melo enquadrou-o e zás, uma imagem que já correu mundo (a agência Reuters pegou nela, como a BBC, o New York Times e o Der Spiegel ).
António Nunes lá arranjou uma explicação: que estava num casino e que a lei do tabaco não se aplicava ali. Assis Ferreira, do casino, veio reiterar: que a lei do jogo se sobreporia à outra, etc. e tal."

 

Em conclusão:

"O pior de tudo isto, porém, não é o péssimo exemplo que o dirigente da ASAE , grande inquisidor da colher de pau e da bola de berlim , deu ao país todo na matéria do cigarro, numa espécie de licença tácita para abandalhar. Nem a descredibilização do seu papel e do da entidade que chefia. Nem o facto de vermos deputados a terem de "analisar" uma lei que aprovaram, a ver se a percebem (e a exigirem ao director-geral da Saúde que os esclareça, que lata), ou um casino a tentar não pagar uma multa. O pior de tudo isto é a pacovice provinciana de um país que, cinco meses e meio após a aprovação da lei, acorda para a realidade como se lhe tivessem decretado de surpresa as novas regras e como se leis como esta - e mais rigorosas que esta - não estivessem em vigor, há anos, noutros países, onde, diz-se, parece que também há casinos, e discotecas, e restaurantes, e cafés, e pubs e, imagine-se, fumadores. E onde, consta, ninguém foi à falência ou se suicidou."

 

Tudo isto, à volta da chamada lei do tabaco, parece, na verdade, uma fantasia. Não dá para acreditar que episódios como este façam parte da vida real. O pior é que fazem mesmo.

publicado por poleao às 21:27

Janeiro 03 2008

"O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas".

Ajustar as velas aos sopros da vida é, agora, a minha principal tarefa.

publicado por poleao às 10:21

Janeiro 01 2008

2007 já lá vai.

2008 aí está!!!

 

No primeiro dia de cada ano, é costume dizer-se: ANO NOVO, VIDA NOVA!!!  Não estou, é certo, em condições de repetir, hoje, tal afirmação, por óbvia falta de tempo para projectar qualquer tipo de Vida Nova. Mas sinto vontade, isso sim, de prometer -apenas isso- uma nova caiação a este meu caderno intimista e despretensioso  de anotações. Anotações sobre tudo e sobre nada, mas sempre sobre a vida. Isto é: o mesmo PIRUÇAS por fora, com o mesmo fato cinzento, mas um PIRUÇAS mais sereno e, talvez, mais distante do foguetório que vai continuar a estalar à volta de todos nós.

publicado por poleao às 18:46

TÃO LONGE DO MUNDO E TÃO PERTO DE TUDO
mais sobre mim
Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
25

27


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO