PIRUÇAS

Junho 15 2005

Ficou-me, do meu pai, entre tantas e tantas "coisas" -virtudes, defeitos, feitio, que sei eu- o gosto e o respeito pelas coisas antigas. Como ele, desde muito novo que me habituei a guardar papéis, documentos, livros, objectos, desde que o meu instinto me dissesse que aquilo era mesmo para guardar. Fiquei com o seu espólio e a ele já juntei outro tanto, recolhido e guardado ao longo da vida. O cheiro destas velharias, afinal, faz-me bem e, se fosse por isso, eu iria longe, muito longe, na vida.


 Vem isto a propósito do programa RTP MEMÓRIA, por onde passo, todos os dias, como que levado por um fatalismo qualquer. A maior parte das vezes, para rever um desafio de futebol, nomeadamente aqueles em entra o meu Sporting, na altura muito mais vitorioso do que agora. Há pouco, assisti, comovido, a um programa sobre o alentejano Francisco José (o Xico Zé, cantor romântico que tanto coração de rapariga destroçou então), apresentado por outra relíquia, felizmente ainda viva, do nosso espectáculo com letra grande: Artur Agostinho.


 O Xico foi, ainda novo, para o Brasil, levado por circunstâncias que não recordo (e o programa também não). O extaordinário relator de acontecimentos desportivos -em especial, futebol- foi mais tarde, também, para o Brasil, acossado pelas vicissitudes do "25 de Abril". Foi lá que escreveu, antes de regressar, o livro "PORTUGUÊS SEM PORTUGAL", que faz, naturalmente, parte da minha modesta biblioteca.


A vida é assim.

publicado por poleao às 17:42

Junho 15 2005

pintassilgo.jpg


 


Há coisas que não se devem dizer em público, MESmo que se sintam.


Há coisas que se devem dizer em público, MESmo que custe dizê-las.


O PR, talvez devido à idade, já baralha tudo. Falta pouco, para dar cartas de novo.


 


Antes o cantar do pintassilgo!!!

publicado por poleao às 11:56

TÃO LONGE DO MUNDO E TÃO PERTO DE TUDO
mais sobre mim
Junho 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
17

20
25

28
30


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO