PIRUÇAS

Junho 06 2005

Há uma ideia que, entre outras, vou consolidando: a de que este governo se asume, expressamente, como uma agência funerária. Porquê? Ora, porque mata e enterra tudo o que mexe, com uma voracidade inexcedível, sem contemplações por nada, nem por ninguém. Sob a batuta do mestre-patrão, os funcionários desta organização esfalfam-se, dia e noite, numa renhida competição, a ver qual deles apresenta ao chefe maior tonelagem de cinzas. Não há mãos a medir, nem fins-de-semana, nem feriados. Todo o tempo é pouco para destruir, para matar, para enterrar. E de tal forma a competição está acesa, que é difícil distinguir, entre os mais assanhados, qual deles segue na frente do pelotão.


 Entretanto, não se prevê o final desta carnificina, ninguém está em condições de afirmar que a demolição está perto do seu termo. É que, todos os dias, este ou aquele funcionário, aparentemente adormecido pelas luzes de um sucesso anterior, volta à ribalta, com força renovada, a propor novo sacrifício. A plebe, especialmente a jornalística, envergonhada com o lindo trabalho que fêz ao inaugurar esta agência, esconde-se aqui e acolá, onde não a vejam a sofrer, na alma, a morte inglória dos seus entes mais queridos. E a sua dor é tanto maior porque, no princípio, o "verbo" foi outro, bem diferente e as promessas mais do que muitas: calma pessoal -diziam-nos- nós vamos aproveitar tudo o que estiver bem, esqueceremos o passado que, eventualmente, tenha corrido menos bem e olharemos em frente, para o futuro "marchar, marchar"!!! Lindo trabalho estão a fazer estes funcionários, a mando deste chefe.

publicado por poleao às 17:32

TÃO LONGE DO MUNDO E TÃO PERTO DE TUDO
mais sobre mim
Junho 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
17

20
25

28
30


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO