PIRUÇAS

Dezembro 20 2005

Só agora tive conhecimento de que, há cerca de três meses, assaltaram a casa do meu compadre alentejano, durante a tarde, enquanto ele jogava uma suecada na Casa do Povo e a ti Margarida tinha ido à da cunhada, dar dois dedos de conversa. Os meliantes arrombaram a porta, entraram em casa, sem que nenhum vizinho desse por isso e roubaram o que, para ele, era a coisa mais sagrada e preciosa que tinha: os "direitos adquiridos" ao longo de uma vida de trabalho e de sacrifícios. De então para cá, o meu compadre, triste e desalentado -como é natural que esteja, face a crime tão cruel- não tem feito outra coisa, de manhã à noite, que não seja seguir pistas, juntamente com a GNR local, na tentativa de descobrir e levar à Justiça o autor, ou autores, de tão grande malfeitoria. Em vão, até agora.


 A única forma que encontrei de dar-lhe algum consolo foi garantir-lhe que muitos outros compadres -muitos milhares- foram também vítimas de crimes semelhantes, quem sabe se praticados pelo mesmo "assaltante".


 Fraco e triste consolo, reconheço eu. Mas foi o que me veio à boca. Que ganharia ele (e eu)  se lhe indicasse o nome e a morada do autor  destes assaltos?

publicado por poleao às 18:41

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



TÃO LONGE DO MUNDO E TÃO PERTO DE TUDO
mais sobre mim
Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
17

19
22
23
24

25
27
30


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO